Salinas no Museu Nacional do Mar

Os saveiros da Bahia foram construídos em estaleiros de diversas localidades do Recôncavo Baiano: Massaranduba e Cabrito em Itagipe; Santo Amaro, São Roque, Cachoeira, São Félix, Ilha do Bom Jesus, Madre de Deus, São Francisco do Conde, Santo Amaro do Catu, Tubarão, Salinas da Margarida, Conceição de Salinas, Itaparica, Caboto, entre outros. Os saveiros dessas águas tinham características comuns aos barcos do Recôncavo. Continue reading

A natureza não aceita promessas

Nelson Mattos Filho

Acho que uma das maiores interrogações que um velejador pode ter pela frente para responder é sobre o tempo que vai durar uma velejada. Eu mesmo prefiro olhar de lado, dar respostas evasivas e sem o mínimo de expectativa. Um barco a vela se movimenta bem com o sopro dos ventos e quando Éolo resolve descansar, ou turbinar o sopro, o melhor que um velejador pode fazer é relaxar e botar a cabeça pra raciocinar e seguir em frente sem olhar para o tempo ditado pelo relógio. E o motor? Ai é outra história, ou problema.

Continue reading

Salinas ou Salinas da Margarida?

Você sabia que Salinas da Margarida nem sempre foi o nome dado ao nosso território? Leia o documento abaixo que explica essa história.

Formação Administrativa

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911,figura no município de Itaparica o distrito de Salinas da
Margarida. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. Pelo decreto estadual no 11089, de 30-11-1938, o distrito de Salinas da Margarida tomou a denominação simplesmente de Salinas. Continue reading

Salinas da Margarida: terra do sal

Salinas da Margarida teve sua história construída com a ascensão da décima maior empresa do Brasil no século XIX.
Foram as marinhas cheias de sal que deram grandiosidade ao quinto menor município da Bahia em faixa de terra. Mais do que o ouro branco extraído das águas da Baía de Todos os Santos, a Companhia Salinas da Margarida, que já foi a décima maior empresa do Brasil na virada dos séculos XIX e XX, levou um progresso prematuro para o município que ganharia o mesmo nome da firma. Com a derrocada da produção do mineral em meados da década de 1960, a localidade ficou órfã da vocação inicial para a nobreza. Continue reading